n PABS: Jedi brasileiro testa o game 'Star Wars' para Kinect

sexta-feira, 30 de março de 2012

Jedi brasileiro testa o game 'Star Wars' para Kinect


     Por mais que muitos fãs de "Star Wars" ao longo destes quase 35 anos da saga de filmes tenham tentado aprender os "caminhos da Força" e se tornar um cavaleiro Jedi, até onde se sabe, ninguém conseguiu mover objetos sem tocá-los ou construir um sabre-de-luz capaz de cortar metais. Este sonho, no entanto, ganhou uma ajudinha para se tornar realidade com o game "Kinect Star Wars".







     Exclusivo para Xbox 360, o jogo tem lançamento mundial na terça-feira (3) e custará R$ 100 no Brasil. O G1 convidou um "Jedi" brasileiro, Marlon Ferreira, fã da saga e membro do fã-clube 501st Brasil, para testar o game -e ele foi a caráter. Dispensando o joystick, o título utiliza o sensor de movimentos Kinect para fazer o jogador encarnar um Jedi, movendo objetos e empurrando inimigos com a Força e enfrentando os Sith com seus sabres-de-luz (as armas de um mundo mais civilizado) por meio de gestos, dispensando o joystick.

     "É muito bom, você se sente como um personagem dos filmes", afirma Marlon, que foi a caráter ao teste. Ele também encarnou um dos soldados do filme, os famosos Stormtroopers.  "O mais legal é [no jogo] você poder usar a Força e levitar pedras e empurrar inimigos para longe. O maior sonho de um fã é poder usar a Força, mover objetos, controlar emoções das pessoas, usar golpes para afastar inimigos".

     Em "Kinect Star Wars", o jogador passa por missões baseadas nos seis filmes da série, encarnando um aprendiz de cavaleiro Jedi - que, na saga, acreditam que todas as coisas vivas do universo estão interligadas, permitindo usar esta energia para o bem - e passando por testes. No começo, o gamer passa por uma sessão de treinamento, aprendendo a controlar o sabre-de-luz para atacar, se defender e refletir tiros laser. Com o Mestre Yoda, a aula é de movimentação: como se locomover rapidamente, como pular, se agachar e pular. Além disso, o pequeno mestre mostra como usar a Força para controlar objetos. "Eu consegui sentir como usar os poderes da Força e você se sente dentro dos filmes, ainda mais com o Yoda ensinando os passos", explica Ferreira.


     Sabre-de-luz não agrada tanto
     Para usar o sabre, basta realizar movimentos com os braços como se estivesse cortando os adversários. O controle da Força exige esticar o braço para "pegar" um objeto e, depois, fazer de conta que o empurra. Todos estes movimentos são inspirados nos filmes. E, em qualquer momento, outro jogador pode entrar e ajudar o companheiro. Ferreira, no entanto, não gostou muito de controlar o sabre. "O tempo de resposta entre o movimento que é feito e o que acontece na tela não é muito bom", explica. "Ou faz rápido demais ou lento demais e ele não aceita. Mas, no geral, é legal, mas a resposta do tempo de ação deveria ser melhor". Em teste realizado pelo G1 durante a feira E3 2011, os mesmos problemas de lentidão na resposta dos movimentos foram encontrados, mostrando que "Kinect Star Wars" evoluiu pouco neste quesito, embora tenha sido notado alguma melhoria no produto final.


     A história do jogo começa quando, no meio do treinamento com Mestre Yoda, acontece um ataque contra os Wookies, no planeta Kashyyk, e o jogador deve conduzir Yoda em uma moto voadora (tal qual no filme "O Retorno de Jedi"). Como mestre nas costas, o jogador precisa fugir nesta motoca, inclinando o corpo para os lados a fim de desviar de obstáculos e bombas. Para atacar inimigos em outras motos, basta colocá-los dentro da mira.

     Ao chegar no destino, é hora de colocar em prática os ensinamentos e atacar os inimigos. A combinação de golpes com o sabre-de-luz e com a Força é necessária para eliminar robôs. Rebater os lasers ao fazer um grande movimento em oito com os braços também funciona. A parte mais complicada é para desviar os mísseis: o objetivo é saber o tempo certo de usar a Força para pará-los e mudar sua direção.

     "Kinect Star Wars" promete levar o jogador em missões que acontecem em eventos relatados na "nova trilogia", mas também apresenta missões que acontecem na "antiga trilogia", lançada entre o final da década de 1970 e início da 1980. Além de entrar em combates Jedi, há missões em que o objetivo é controlar um caça X-Wing (aquele usado por Luke Skywalker para destruir a Estrela da Morte).


     Modos extras
     Quando o jogador cansar de ser um Jedi, ele pode ser um piloto de podracing, corridas com carros flutuantes que apareceram no filme "A Ameaça Fantasma". O jogador coloca os dois braços para frente para fazer o podracer andar e, para fazer as curvas, é necessário puxar o braço do lado que se deseja ir.


     Os controles são simples e há circuitos que mostram diversas cidades da saga como Coruscant, que aparece na nova trilogia, e Bespin, a "cidade nas nuvens" de o "O Império Contra-ataca". Curiosamente, o modo de dança, em que Han Solo e a princesa Léia participam, também é divertido. Com músicas conhecidas, como "Stronger" de Britney Spears, mas modificada com informações do mundo de "Star Wars", o minigame lembra outros títulos como "Just Dance" e "Dance Central". Os passos, contudo, nada lembram os elementos da saga.

     Há ainda o modo "Rancor Rampage", em que o gamer se torna o monstro rancor e deve balançar os braços para destruir tudo o que vê pela frente.

     Esta é a proposta do game, agradar a todo o tipo de fã da saga, desde o que gosta das batalhas entre Jedis, até quem gosta das corridas. E, além disso, tentar criar novos fãs com os modos de jogo mais simples como o de dança e o Rancor Rampage.


     Como o único fã brasileiro de Star Wars que conseguiu jogar "Kinect Star Wars" antes do lançamento oficial, Ferreira manda um recado para os seus colegas do 501st Brasil. "Esse jogo vai pirar o pessoal, é muito bom. Vai ser um dos melhores jogos de 'Star Wars' já lançados. A interatividade e poder entrar na pele dos personagens, é muito legal".

Fonte: G1




0 comentários:

Postar um comentário

Gostou do post? Agora participe do tema!
Deixe o seu comentário!

Mas leve em conta que:

1 - A administração se reserva ao direito de deletar comentários anônimos, ofensivos, em CAIXA-ALTA, spam e assuntos fora do tema.
2 - Nome e email são obrigatórios.
3 - Os autores deste blog não se responsabilizam por opiniões emitidas nos comentários. Essas opiniões não refletem as dos autores do blog.